Publicado em Vivências em Dublin e arredores

Castelo de Killarnery

Castelo de Killarnery

O primeiro castelo a gente nunca esquece…

A Irlanda é cheia de castelos, passamos nas estradas e no meio das verdes paisagens , vamos descobrindo inúmeros deles.. Muitos são só lembrança do que a história nos deixou, outros restaurados em parte como no caso do de Kiillarnery.. Se pensarmos que essas construções tem mais de 1000 anos, é até surpreendente que ainda estejam ali com toda sua majestade e pompa.

Descobrimos que na verdade todos esses castelos, melhor dizer torres que surgem no meio do nada, eram verdadeiras fortalezas. Os senhores mais abastados construíam essas torres como uma fortificação de defesa para as contínuas guerras ..

Precursoras das town houses de hoje, as torres possuíam uma configuração semelhante: 1 peça por andar.

A sala era no último andar, único lugar a que os visitantes tinham acesso.

O quarto onde dormia a família toda era no penúltimo andar e para baixo viviam os empregados que também faziam a defesa do castelo. Em época de ataque a vizinhança se refugiava nos andares debaixo do castelo e até os animais ficavam dentro dos muros que serviam de proteção. Não existiam janelas, somente fendas , mais para as armas de defesa do que para a luz e ventilação.

O Castelo de Killarnery foi em parte reconstituído recentemente e é tão interessante que bem vale uma visita.

A cidade também é muito bonitinha e colorida.

IMG_1584

 

IMG_1585 IMG_1586 IMG_1587 IMG_1590 IMG_1591 IMG_1592 IMG_1593 IMG_1594 IMG_1601 IMG_1607 IMG_1608

Publicado em Vivências em Dublin e arredores

Ciência sem Fronteiras em CIT – Cork

O Cork Institute of Technology (CIT) foi a segunda “parada” de uma ótima visita.

É outro Instituto de Tecnologia muito funcional, bonito e bem instalado.

Uma vez mais foi muito bom constatar que, na Irlanda, nossos bolsistas do Ciência sem Fronteiras estão em instituições de indiscutível qualidade e, claramente, são recebidos com simpatia além de reconhecido profissionalismo.

O encontro com os jovens brasileiros foi, como nos demais casos, um “banho” de alegria.